Resenha: Em busca de um final feliz – Katherine Boo

 

Abdul, um jovem de 16 anos, vive em Annawadi, uma favela localizada próximo ao Aeroporto Internacional de Mumbai. Ele trabalha como catador de papel desde os seis anos e, agora, deve tomar uma decisão importante: foi acusado de um crime que não cometeu.  Fátima, uma das moradoras de Annawadi, ateou fogo a si mesma e agora acusa Abdul.

É a partir da história de Abdul e de sua família que a jornalista Katherine Boo relata o cotidiano de uma favela indiana no livro “Em busca de um final feliz”. Durante três anos, a autora conviveu com os moradores de Annawadi para escrever seu livro reportagem. “Eu sentira falta de livros de não-ficção sobre a Índia: histórias contadas com profundidade mostrando como as pessoas das classes mais baixas – especialmente mulheres e crianças –  estavam negociando na era dos mercados globais”, escreve Katherine Boo no posfácio.

A favela de Annawadi foi criada em 1991 por um grupo de trabalhadores que haviam sido contratados para consertar uma pista do Aeroporto Sahar. O terreno próximo ao aeroporto era úmido, encharcado e cheio de cobras. Mas os trabalhadores limparam o terreno e estabeleceram suas casas de bambu. A Índia vivia o início da liberalização econômica, e a proximidade com o aeroporto e os diversos hotéis de luxo da região prometia empregos e ascensão econômica.

“Na verdade, apenas seis dos três mil moradores da favela tinham emprego com carteira assinada. (O resto, assim como os 85% dos trabalhadores indianos, faziam parte da economia informal). É certo que alguns poucos residentes ainda catavam ratos e sapos e os fritavam para jantar. Alguns comiam grama baixa na beirada do lago de esgoto. E estes indivíduos, estas almas miseráveis, de certo modo deram uma contribuição inestimável aos seus vizinhos. Eles propiciaram aos favelados que não fritavam ratos e não comiam mato, como Abdul, uma sensação real de mobilidade e ascensão social. “

O processo de apuração da jornalista foi extremamente detalhista: muitas horas de gravação em vídeo e áudio, fotos, anotações. Cada detalhe era checado três, quatro vezes. A autora também consultou mais de três mil registros públicos.

O livro se concentra sobre os desdobramentos da acusação de Abdul, mas também sobre outros personagens, como Asha, professora do jardim de infância e cheias de conexões políticas que a fazem almejar o cargo de líder comunitária da favela. O intrincado sistema de castas indiano e as burocracias do sistema judiciário são retratados com precisão, mostrando toda a crueldade das pequenas corrupções e da miséria.

A pesquisa detalhada sobre o cotidiano da favela transforma o livro de Katherine Boo em uma sofisticada obra realista. Infelizmente, uma realidade que existe, que nos faz pensar como estão agora Abdul e todos os moradores de Annawadi.

Portfólio – Gazeta do Povo

Links

Bolsas ajudam 2 mil atletas no Paraná

Chegou a hora de profissionalizar?  – Para especialistas, empreendedor deve ter a sensibilidade de escolher o momento certo para saber quando é necessário trazer alguém de fora para dentro da empresa.

 Transferidos para bem longe – Mais da metade das multinacionais quer deslocar funcionários para outros países neste ano. Brasil é o segundo principal destino dos expatriados.

Pelo direito de ser criança  – Programa da Rede Marista de Solidariedade quer estimular a reflexão da sociedade e do poder público sobre a importância das atividades lúdicas durante a infância.

Sagrado e profano em Guadalupe – Fiéis que frequentam a missa do padre Reginaldo Manzotti fazem contraponto ao terminal intermunicipal conhecido pelos casos de violência.