Odes de Ricardo Reis – Fernando Pessoa

belem-portugal

Com que vida encherei os poucos breves
Dias que me são dados? Será minha
A minha vida ou dada
A outros ou a sombras?

À sombra de nós mesmos quantas vezes
Inconscientes nos sacrificamos,
E um destino cumprimos
Nem nosso nem alheio!

Porém nosso destino é o que for nosso
Quem nos deu o acaso, ou, alheio fado,
Anônimo a um anónimo,
Nos arrasta a corrente.

Os deuses imortais, saiba eu ao menos
Aceitar sem querê-lo, sorridente,
O curso áspero e duro
Da strada permitida.

                                                                                                 (5/5/1925)

Chove. É Dia de Natal – Fernando Pessoa

Chove. É Dia de Natal - Fernando Pessoa
Chove. É dia de Natal.
Lá para o Norte é melhor:
Há a neve que faz mal,
E o frio que ainda é pior.

E toda a gente é contente
Porque é dia de o ficar.
Chove no Natal presente.
Antes isso que nevar.

Pois apesar de ser esse
O Natal da convenção,
Quando o corpo me arrefece
Tenho o frio e Natal não.

Deixo sentir a quem quadra
E o Natal a quem o fez,
Pois se escrevo ainda outra quadra
Fico gelado dos pés.

Um poema de Camões

Luís Vaz de Camões Que dias há que na alma me tem posto Um não sei quê, que nasce não sei onde,  Vem não sei como, e dói não sei porquê

 

Busque Amor novas artes, novo engenho
Para matar-me, e novas esquivanças,
Que não pode tirar-me as esperanças,
Pois mal me tirara o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Pois não temo contrastes nem mudanças,
Andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.

Que dias há que na alma me tem posto
Um não sei quê, que nasce não sei onde,
Vem não sei como, e dói não sei porquê.

*Soneto publicado do livro  Sonetos para amar o amor, com poesias de Luís Vaz de Camões, selecionadas pelo escritor Sergio Faraco.

Título: Sonetos para amar o amor
Autor: Luís Vaz de Camões – seleção, organização e notas de Sergio Faraco.
Editora: L&PM
Ano: 2010