Tudo o que eu sempre quis dizer mas só consegui escrevendo

tudo o que eu sempre quis dizer mas só consegui escrevendo

 

Maria Ribeiro é uma atriz (conhecida pelos filmes Tropa de Elite e Como nossos pais), escritora e cronista. Seus textos podem ser lidos no jornal O Globo, mas também em livros, como Tudo o que eu sempre quis dizer mas só consegui escrevendo. O livro é uma reunião de cartas que Maria escreveu para as pessoas mais próximas e queridas, como os pais, amigos, ex-namorados, colegas de trabalho. A autora escreve uma espécie de autobiografia por meio de cartas. Maria Ribeiro não tem medo de se expor e “discutir a relação” com os destinatários.

Reflexões sobre a vida se misturam com detalhes do dia a dia, como uma série, um livro legal, a relação com os filhos. As melhores cartas são as que foram escritas para os pais e os filhos. Há um tom de balanço da relação, mas também de perdão, de declaração de amor e amizade. A autora não tem medo de compartilhar seus pensamentos íntimos.

O que nos aproxima mais da escrita é que muitos dos destinatários são pessoas famosas, conhecidas pelo público, como os escritores Gregorio Duvivier e Xico Sá. Uma leitura leve e rápida. Recomendado!

Augusto – Christa Wolf

augusto christa wolf

 

A escritora alemã Christa Wolf (1929-2011) não é uma autora muito traduzida no Brasil, apesar de ser reconhecida como uma das grandes escritoras do idioma germânico. Após a Segunda Guerra Mundial, a cidade onde Wolf nasceu foi integrada à Polônia e a família teve que se mudar para a então Alemanha Oriental.

O socialismo, o comunismo, a polícia secreta e a espionagem compõem o ambiente de muitas de suas obras. Reflexões sobre Christa T., publicado em 1968, foi um dos livros mais criticados; é a história de uma mulher doente que reflete sobre suas convicções socialistas. Outras obras de maior destaque incluem Cassandra (1983) e Medea (1998).

Se a vida sob o socialismo serve como mote para muitas das obras de Wolf, Augusto é um livro que reflete sobre o pós-guerra. Augusto é uma criança internada num hospital improvisado em um castelo, logo após a Segunda Guerra. Órfão, ele desenvolve uma relação próxima com a enfermeira Lilo.

Augusto é uma novela curta (45 páginas), de leitura leve e rápida. Apesar do tema aparentemente triste, descobrimos que a vida de Augusto não foi apenas solidão e tristeza. Este clima de esperança em meio aos infortúnios talvez tenha relação com as circunstâncias com que a obra foi escrita. Augusto é o último livro escrito pela autora e um presente para o marido de Wolf.

A obra é narrada em terceira pessoa, mas sempre sob a perspectiva do olhar infantil, de uma criança fragilizada. Augusto tem uma certa semelhança com Macabéa, personagem criada por Clarice Lispector em A hora da estrela. Os dois personagens são ingênuos e viveram sofrimentos na infância. A única diferença é que Augusto foi poupado de algumas asperezas da vida e teve um final menos trágico.

Christa Wolf e Elena Ferrante

 

augusto christa wolf
Eu “conheci” Christa Wolf por “indicação” da escritora italiana Elena Ferrante. Em 2017, um jornal italiano apontou a tradutora Anita Raja como a pessoa por trás do pseudônimo Ferrante. As obras de Wolf foram traduzidas para o italiano por Anita Raja; há quem diga que há ecos da autora alemã nas obras da italiana. Se é verdade ou não, o que importa é ambas são uma ótima indicação de leitura.

Título: Augusto
Autora: Christa Wolf
Tradutor: Fernando Miranda
Editora: Jaguatirica

Orgulho e preconceito – Jane Austen

orgulho e preconceito jane austen

Elizabeth Bennet e Darcy, cena do filme “Orgulho e preconceito”, de 2005

 

Orgulho e preconceito é uma das obras mais conhecidas da escritora Jane Austen (1775-1817). Publicado em 1813, o romance entre Elizabeth Bennet e Sr. Darcy é um conto de fadas com toques de sarcasmo e humor, que nunca deixou de encantar leitores de diferentes épocas e países. É também uma das obras mais adaptadas para a TV e o cinema (a Rede Globo exibe atualmente a novela Orgulho e paixão, livremente inspirada no livro de Austen).

Orgulho e preconceito estabelece um dialogo íntimo com o leitor, como se estivéssemos com a própria Jane Austen em uma mesa de chá inglesa, contando histórias deliciosas do último baile ou fazendo alguma observação mordaz sobre os costumes da alta sociedade. Mas o que faz a obra de Jane Austen tão popular são os personagens Darcy e Elizabeth.

A família Bennet possui poucos rendimentos e cinco filhas que precisam “casar logo”. Na Inglaterra do século XIX, as mulheres não trabalhavam e não tinham direito à herança. Quem herdava os bens da família após a morte dos genitores eram os irmãos ou algum parente do sexo masculino. Portanto, o casamento era uma rota de fuga para que essas mulheres não tivessem que morar de favor em casa de parentes.

Logo no início de Orgulho e preconceito, a mãe de Elizabeth fica excitada ao saber que um jovem com rendas consideráveis alugou uma propriedade próxima. Ela diz ao senhor Bennet que este deve se apresentar ao novo vizinho, o jovem sr. Bingley, o mais rápido possível.

Durante um baile, o sr. Bingley conhece as irmãs Bennet e se encanta com a primogênita Jane. Bingley não vem desacompanhado e traz suas irmãs e um amigo, o sr. Darcy. Este logo chama a atenção do baile por sua postura e por possuir um rendimento de dez mil libras por ano. Mas a admiração inicial foi substituída por um desencanto, ele era um homem antipático e orgulhoso, que não se relacionava com ninguém.

 

 

É neste baile que ocorre o primeiro encontro entre Elizabeth e sr. Darcy. Ao contrário dos romances tradicionais, a química não é imediata. Quando sr. Bingley pergunta a Darcy por que ele não convida Elizabeth para dançar, este diz que ela não é bonita o suficiente. Elizabeth, que possui um grande senso de humor, faz piada com a situação, não deixando se abater pelo orgulhoso cavalheiro.

Logo as primeiras impressões entre os dois são desfeitas, e Elizabeth aprende a apreciar as qualidades de Darcy, que apesar da arrogância e frieza é um homem sensível e de bom coração. Darcy também aprende com o tempo a olhar Lizzy com mais carinho e a apreciar sua personalidade e  inteligência.

 

Darcy e Elizabeth

 

 

Elizabeth Bennet é uma das personagens mais bem construídas e cativantes da literatura. Todas as mulheres se identificam com Elizabeth e suas questões. Ela não é perfeita e sabe reconhecer seus erros. O tempo inteiro as tramas e ações dos personagens giram em torno de possíveis pretendentes, fofocas e festas. Porém, Austen sempre nos guia para o ponto de vista inteligente e sensível da heroína Lizzy.  Ela não é previsível, tem grande consciência das limitações e injustiças sofridas pelas mulheres, um grande senso de observação e justiça.

Mas o personagem mais polêmico é o arrogante Darcy. Muitos críticos apontaram que o personagem não era verossímil, que não era possível encontrar alguém assim na vida real. E a obra mais popular de todos os tempos foi atacada por que sua autora era “uma solteirona sem experiência de vida”. Nas inúmeras biografias sobre a escritora, como Jane Austen: uma vida revelada, vimos que a vida amorosa de Austen não foi tão morna como se pensa.

As obras de Austen são tão boas e tão populares justamente pelo seu olhar inteligente e arguto para as convenções sociais da sociedade inglesa da época e para criar personagens reais, com emoções e motivações humanas. Um talento que resiste através dos séculos.

A imaginária – Adalgisa Nery

a-imaginária-adalgisa-nery

Escritora, jornalista, deputada estadual no Rio de Janeiro, Adalgisa Nery (1905 – 1980) foi uma intelectual de destaque no Brasil. Seu livro A imaginária foi publicado pela primeira vez em 1959 e foi sucesso de público e crítica, com cinco edições publicadas na época. Apesar do grande sucesso literário, A imaginária só ganhou uma nova edição em 2015.

Escrito em primeira pessoa, o livro é um monólogo interior da personagem Berenice, que repassa em uma noite solitária os principais acontecimentos da sua vida. Mas também é uma autobiografia, uma forma que Adalgisa encontrou para escrever sobre o tumultuado casamento com o pintor Ismael Nery (1900-1934).

Assim como a personagem principal, Adalgisa perdeu a mãe muito jovem, aos oito anos de idade. A solidão marca a vida da personagem Berenice desde a infância. A garota já demonstrava uma grande sensibilidade e uma personalidade forte. Com o novo casamento do pai, entra em conflito com a madrasta, e é mandada para colégios internos. Mas o grande rompimento com a família acontece quando Berenice se apaixona pelo vizinho e casa ainda adolescente.

Adalgisa e Ismael Nery

Adalgisa casou com Ismael Nery em 1922, quando tinha apenas 17 anos. Ismael era um grande nome nos meios intelectuais e artísticos do Rio de Janeiro; e Adalgisa fez amizades e conheceu nomes como Manuel Bandeira e Murilo Mendes. Mas o casamento também foi extremamente opressor para a escritora, e o lado sombrio do casamento foi retratado em A imaginária.

O marido da personagem Berenice tem um comportamento condescendente: a considera muito jovem, sem criatividade e brilhantismo. Ele adoece e a maior preocupação é com a vida afetiva e sexual da mulher depois que morrer.  Todos os acontecimentos de sua vida a tornam uma mulher ansiosa pelo futuro, mas consciente que, por sua condição feminina, muitos outros acontecimentos ruins estão a sua espera.

“Há dias, começo a pressentir que novas camadas de acontecimentos imprevistos e cruéis serão colocados a minha alma. E já me falta o ar!”

 

a imaginária adalgisa nery

Adalgisa Nery, pintura de Ismael Nery

 

Adalgisa escreve de forma poética os sentimentos e angústias que passou durante o casamento, abordando como as estruturas da sociedade afetam a saúde mental da mulher. Não podemos esquecer que a época em que viveu Adalgisa ainda era de grandes restrições para as mulheres. Ela mesma não escreveu nada durante o casamento, reprimindo sua veia poética – seu primeiro livro de poemas foi publicado em 1937.

Após a morte de Ismael Nery, Adalgisa casou em 1940 com Lourival Fontes, chefe do Departamento de Imprensa e Propaganda no governo Getúlio Vargas. Adalgisa acompanhou Fontes em missões diplomáticas nos Estados Unidos e no Canadá enquanto continuava a escrever e publicar livros de poemas e ficção.

Em 1945, Fontes foi nomeado embaixador no México. Neste período, Adalgisa estabeleceu laços de amizade com os principais artistas mexicanos, como Frida Kahlo e Diego Rivera. Também foi homenageada pelo governo mexicano por suas conferências sobre artistas como a poetisa Juana Inés.

Além da carreira como escritora e jornalista, Adalgisa se aventurou na política. Foi eleita deputada estadual no Rio de Janeiro em 1960 pelo Partido Socialista Brasileiro. As colunas diárias que Adalgisa escrevia para o jornal Última Hora, a ajudaram a se eleger. Mesmo com o golpe de 1964, Adalgisa continuou os seus trabalhos como deputada. Porém, teve seus direitos políticos cassados em 1969.

Após a cassação do mandato, Adalgisa tornou-se reclusa e solitária. Internou-se em uma casa de repouso em 1976 e faleceu em 1980.

Título: A imaginária
Autora: Adalgisa Nery
Editora: José Olympio

Biografia: Jane Austen – uma vida revelada

As obras de Jane Austen são lidas por milhões de pessoas em todo o mundo. Ela foi uma das escritoras que melhor retratou os costumes da aristocracia inglesa do século 19.

O mundo em que a escritora viveu na infância e na vida adulta foi a inspiração para clássicos como Razão e sensibilidade e Orgulho e preconceito. Este mundo era uma Inglaterra conservadora, onde o valor social das mulheres era regido pelo casamento e o dote. Mesmo com a evolução das condições de vida das mulheres, os leitores modernos continuam a se encantar com as personagens de Austen.

Catherine Reef, em sua biografia Jane Austen – uma vida revelada, mostra como os livros – e a própria vida de Austen – giraram em torno do conflito entre o amor verdadeiro e casamentos arranjados, determinados pela classe social.

biografia -jane austen uma vida revelada

 

Jane Austen e a vida de escritora

Jane Austen começou a escrever ainda na infância. Seu pai, um clérigo do interior da Inglaterra, a incentivava a ler e a escrever, o que não era muito comum na época. As mulheres eram educadas para o casamento e não tinham direito à herança. Este fato influenciou a vida e os escritos de Austen, que só começou a fazer sucesso financeiro como escritora depois dos 30 anos. A maioria das obras de Austen foram publicadas sob pseudônimo. Quando ela estava começando a se tornar conhecida, morreu prematuramente aos 41 anos.

As mulheres da classe social de Jane Austen não trabalhavam. Havia uma série de regras sociais que a aristocracia e as classes mais abastadas tinham que seguir. Os casamentos eram arranjados, e a própria Jane recusou propostas por não amar os pretendentes (atitude incomum para época). A escritora foi hábil em transpor para os livros este universo em obras como Orgulho e preconceito.

Um livro indicado para todos os fãs de Jane Austen e para quem quer entender mais sobre a Inglaterra do século 19.


Título:
 Jane Austen – uma vida revelada
Autora: Catherine Reef
Tradutora: Kátia Hanna
Editora: Novo Século

Filme sobre a escritora e psicanalista Lou Andreas-Salomé estreia no Brasil

lou adrea filme

 

Lou Andreas-Salomé foi uma mulher à frente de seu tempo. Ela nasceu em São Petersburgo, na Rússia, em 1861, e teve papel destacado na psicanálise, ciência em ascensão nos séculos XIX e XX. Foi discípula de Sigmund Freud, o pai da psicanálise, e escreveu inúmeros artigos e livros, pouco divulgados no Brasil.

O filme Loudirigido pela diretora alemã Cordula Kablitz-Post, estreou no Brasil no último dia 11. No filme, Lou Andreas-Salomé está com 72 anos e escrevendo suas memórias com a ajuda do acadêmico Ernst Pfeiffer.

Apesar de sua brilhante trajetória como psicanalista, Lou Andreas-Salomé tornou-se famosa por suas amizades com alguns dos principais intelectuais europeus da época. Aos 20 anos, Lou era uma grande amiga dos filósofos Friedrich Nietzsche e Paul Rée. O três viveram uma amizade bastante próxima, mas que foi desfeita após uma briga entre Lou e Nietzsche.

 

Nietzsche_paul-ree_lou-von-salome188

Lou Andreas-Salomé, Paul Rée e Friedrich Nietzsche

Depois do casamento com o linguista Friedrich C. Andreas, a relação com Paul Rée começou a declinar, mas vieram novos amigos que influenciaram a vida intelectual de Lou. Ela iniciou um intenso caso com o então aspirante a poeta Rainer Maria Rilke, quinze anos mais jovem que a escritora. Outro momento decisivo foi o encontro com Sigmund Freud, que a introduziu à psicanálise. Lou escreveu obras importantes como O Erotismo Seguido de Reflexões Sobre o Problema do Amor.

A obra como escritora e ensaísta foi prolífica. Lou publicou também uma autobiografia e análises sobre a obra de Nietzsche e Rilke. Suas correspondências com Freud e Rilke foram reunidas em livro. Infelizmente, as obras desta autora não estão disponíveis em português. Como sempre, quem quiser ler alguma obra pode procurar edições em inglês ou livros raros em sebos.

Gostou do post? Siga o blog também no Instagram!

Cinco livros escritos por mulheres para ler no fim de semana

 

Cinco livros escritos por mulheres para ler no fim de semana

 

O fim de semana é sempre um bom momento para colocar a leitura em dia. Esta é uma seleção com oito livros curtos, menos de duzentas páginas, para ler em um fim de semana, feriado prolongado ou nas férias (ou quando você quiser). Todos os livros são escritos por mulheres, mostrando um ponto de vista feminino, muitas vezes negligenciado pela literatura.

Contos do esconderijo – Anne Frank

Anne Frank é mais conhecida pelo seu diário, mas ela também escreveu contos e ensaios. Em “Contos do esconderijo” vemos o talento em gestação de uma escritora precoce, mas que infelizmente não pode viver tempo suficiente para maturar seu dom. A jovem escritora mostra uma grande sensibilidade para captar detalhes da vida cotidiana. Estes textos foram excluídos da versão original do “Diário de Anne Frank”.

Quarto de despejo – Carolina Maria de Jesus

“É por isso que eu denomino que a favela é o quarto de despejo de uma cidade. Nós, pobres, somos os trastes velhos.” Esta frase é do diário de Carolina Maria de Jesus, que se transformou no livro “Quarto de despejo”. Carolina Maria de Jesus vivia na favela do Canindé em São Paulo, onde tentava sobreviver como catadora de papel para sustentar os filhos.

Vivendo este duro cotidiano, Carolina relatava suas frustrações e rotina em um diário. Sua sorte mudou quando o jornalista Audálio Dantas a conheceu enquanto fazia uma reportagem. Dantas ficou impressionado com a qualidade do texto de Carolina. “Quarto de despejo” alcançou grande sucesso e foi traduzido em diversos países.

A hora da estrela – Clarice Lispector

“A hora da estrela” foi o último livro escrito por Clarice Lispector. É um dos melhores livros de Clarice e um clássico da literatura brasileira que merece ser lido. O livro narra a história de Macabéa, uma alagoana que migra para o Rio de Janeiro em busca de melhores condições de vida. Com poucos recursos, Macabéa luta para se adaptar à cidade grande.

A redoma de vidro – Sylvia Plath

“A redoma de vidro” foi o único romance escrito pela poetisa americana Sylvia Plath. Na década de 50, Plath morou um mês em Nova York para trabalhar como editora na revista Mademoiselle. A experiência foi tão marcante que serviu como inspiração para o único romance de Plath.

No livro, a estudante universitária Esther Greenwood é selecionada para estagiar durante um mês em uma revista de Nova York. É a sua primeira vez em uma cidade grande e ela tem que lidar com uma súbita liberdade e a decepção com o trabalho na revista. A ausência de sentido de sua experiência a joga num episódio de depressão.

A chave de casa – Tatiana Salem Levy

Este é o romance de estreia de Tatiana Salem Levy, uma das melhores escritoras da cena contemporânea brasileira. A autora se inspirou na história de sua família para criar uma personagem descendente de judeus-turcos. Ela recebe uma chave do avô, uma chave para a casa da família em Esmirna, na Turquia.

A procura das raízes familiares se mistura com os seus problemas de relacionamento e o passado da família durante a ditadura militar. O livro ganhou o prêmio São Paulo de Literatura – melhor livro de autor estreante – 2008.

 

 

 

 

“Estação onze” – um livro sobre memórias afetivas e o poder da arte

estação onze livro emily st. john mandel

Conheci por acaso o livro “Estação onze“, da escritora canadense Emily St. John Mandel. E que livro! Minha tia comprou numa promoção nas lojas Americanas e minha mãe pegou emprestado. A obra foi publicada em 2014 nos Estados Unidos e teve uma boa repercussão entre os críticos (tem até elogio da New Yorker na contracapa).

Em “Estação onze“, depois de uma pandemia de gripe, a civilização se desintegra, e o que resta são pequenos povoados estabelecidos pelos sobreviventes. Não há mais governos, polícia, fronteiras. Nem remédios, internet e celulares. No ano 20 após a tragédia, a companhia teatral Sinfonia Itinerante percorre esses pequenos povoados entre o Canadá e os Estados Unidos, apresentando peças de Shakespeare e concertos de música clássica.

A autora Emily St. John Mandel entrelaça a história da atriz da Sinfonia Kirsten Raymonde com a do famoso ator hollywoodiano Arthur Leander. Kirsten tinha apenas oito anos quando seus pais morreram na epidemia de gripe. No dia em que a epidemia se alastrou, Kirsten estava no palco representando uma das filhas de Rei Lear, em uma montagem estrelada por Arthur. O ator morreu no palco nesta mesma noite.

Estação Onze emily st. john mandel

No mundo pós-apocalíptico de “Estação Onze” não há cafeterias, nem máquinas de café expresso

O único elo que Kirsten tem com o passado são as misteriosas revistas em quadrinhos do “Dr. Onze”, um presente de Arthur. Enquanto viaja com a Sinfonia Itinerante representando e sobrevivendo, ela tenta reconstruir este passado com revistas de celebridades cheias de fofocas sobre o ator.

Estação Onze – uma ficção científica diferente

As revistas em quadrinhos do “Dr. Onze” foram escritas pela primeira mulher de Arthur, Miranda, e nunca foram publicadas antes da epidemia. Miranda desenhava as revistas com perfeccionismo: elas nunca estavam prontas o suficiente para serem publicadas. A desenhista nunca teve fama ou reconhecimento profissional pela sua arte. Mas agora elas são lidas e fazem a diferença na vida de outras pessoas, mesmo que a artista não veja o resultado final. O que resta é a obra.

Em “Estação Onze“, Emily St. John Mandel  reflete sobre a importância da arte em momentos difíceis e quando tudo parece desmoronar. A autora não reflete sobre as causas da pandemia de gripe, ou se uma cura será descoberta. O que importa são as relações pessoais e familiares e como a arte é tudo o que resta quando todas as tecnologias falham.

“Não havia mais mergulhos em piscinas de água clorada com luzes verdes por baixo. Não havia mais jogos de bola sob holofotes. Não havia mais luzes nas varandas circundadas por mariposas nas noites de verão. Não havia mais trens correndo sob as cidades com a força alucinante do terceiro trilho condutor de eletricidade. Não havia mais cidades. Não havia mais filmes, exceto raramente, exceto quando um gerador de energia estava ligado e abafava metade do diálogo, e mesmo isso só por algum tempo, até que o combustível para os geradores acabou, porque a gasolina dos automóveis estragou depois de dois ou três anos. O combustível dos aviões durava mais tempo, porém era difícil conseguir.”

Curiosidades: no livro, as pessoas não usam carros, aviões, etc., para se deslocarem. Parece que a gasolina estraga após um tempo. Como vou assistir The Walking Dead após essa informação?

Resenha: Objetos cortantes – Gillian Flynn

A escritora americana Gillian Flynn ganhou fama internacional com o livro Garota Exemplar, lido por milhões de pessoas e adaptado para o cinema pelo diretor David Fincher. Porém, antes de criar a sombria Amy Dunne, Gillian Flynn estreou no mundo dos livros com o policial “Objetos Cortantes”, obra muito mais interessante do que “Garota Exemplar”.

Depois de um período em uma instituição psiquiátrica, a repórter Camille Preaker volta à pequena cidade onde passou a infância para investigar o desaparecimento de uma garota de 10 anos. Porém, o retorno ao trabalho e à cidade onde nasceu a fazem relembrar dos problemas da infância, da morte da irmã e do relacionamento turbulento com a mãe.

 

resenha objetos cortantes gillian flynn

 

A princípio relutante, a jornalista se envolve com o caso da garota desaparecida e permanece em Wind Gap na casa da mãe, Adora. O convívio familiar e com antigos colegas de escola disparam os gatilhos da memória de Camille. Foi durante a adolescência que ela começou a escrever palavras no próprio corpo. Usava facas, pinças, qualquer objeto cortante para se ferir.

As mulheres más de Gillian Flynn

A escritora Gillian Flynn tem um talento especial para criar personagens femininas controversas e sombrias. São mulheres que encontramos na vida real: com problemas psiquiátricos, mães tóxicas para os filhos, adolescentes sem caráter. Nada de heroínas ou mocinhas de novela.

Gillian Flynn vai traçando um panorama da pacata cidade do interior, sem crimes, aparentemente segura, mas cheia de segredos e pequenas maldades entre os habitantes. O machismo é tão naturalizado que crimes como estupro são considerados corriqueiros, inclusive pelas vítimas. O bullying e a competição entre os adolescentes são incentivados e vistos como algo normal. Há algo podre e todos fingem não ver

O livro tem um bom ritmo e personagens e tramas mais bem amarrados que o mega sucesso “Garota Exemplar”. O crime é solucionado, mas não há redenção para a protagonista. A perturbação causada pela leitura de  “Objetos cortantes” permanece com o leitor após o fim. Assim como outras obras da escritora, o livro será adaptado para a TV pela HBO, com a atriz Amy Adams no papel principal (leia a notícia aqui).

Eu sei, mas não devia – crônica de Marina Colasanti

eu sei mas não devia marina colasanti

 

A escritora Marina Colasanti foi indicada esta semana ao prêmio Hans Christian Andersen, considerado o “Nobel” da literatura infantil. Não li nenhum livro infantil da autora, mas um texto dela que me marcou muito foi a crônica “Eu sei, mas não devia“:

“A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor.
E porque não tem vista, a gente logo se acostuma a não olhar para fora.
E porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.
E porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz.
E à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.”
“A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir.
A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta.
A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.”
O Antônio Abujamra gravou um vídeo recitando a crônica, vale a pena ver:
A escritora Marina Colasanti mantém um site com crônicas e textos.