Melhores filmes e séries de 2018

Esta lista é bem pessoal (e atrasada). Tem produções recentes e também mais antigas. Foram obras que me marcaram ou provocaram grandes reflexões, e, agora, compartilho com vocês ;).

melhores-filmes-séries-2018

Sonhos

Akira Kurosawa foi um dos mais aclamados cineastas do século XX. No final da vida, em 1990, ele dirigiu um filme que seria diferente de toda sua obra cinematográfica. Sonhos, como o próprio título sugere, teve seu roteiro baseado nos próprios sonhos de Kurosawa. O filme é composto por oito histórias independentes, como sonhos de infância e da vida adulta.

 

The square – A arte da discórdia

Este é um filme sueco, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2018. É um filme que nos faz refletir sobre a questão da arte contemporânea e também sobre como os europeus lidam com os imigrantes. O ambiente do mundo da arte é exibido sem sacralidade e com grande sarcasmo. O espectador nunca mais verá uma exposição (principalmente de arte contemporânea) da mesma maneira.

A sociedade literária e a torta de casca de batata

A Netflix produziu este filme baseado em um livro de uma autora estreante de 70 anos, Mary Ann Shafer, que escreveu a obra com a ajuda da sobrinha Annie Barrows. A sociedade literária e a torta de casca de batata é um filme simples e romântico, indicado para quem gosta de livros, além de mostrar as consequências da Segunda Guerra Mundial na vida de pessoas comuns.

Lady Bird

A estreia da atriz Greta Gerwig na direção resulta num filme delicado e intenso sobre a adolescência e a complicada relação entre mães e filhas. Lady Bird recebeu indicações ao Oscar nas categorias melhor filme, melhor direção, melhor roteiro, melhor atriz (Saoirse Ronan) e melhor atriz coadjuvante (Laurie Metcalf). Aliás, recomendo vários filmes com Greta Gerwig: Frances Ha, Mistress America.

 

Bandersnatch

É o primeiro filme interativo produzido pela Netflix, dentro da séria Blackmirror, que explora a influência da tecnologia na vida das pessoas. Um jovem da década de 80 é contratado por uma grande empresa para produzir seu próprio videogame. A produção intensa o força a lidar com problemas psicológicos causados pela morte da mãe. O espectador deve escolher as ações que o personagem irá tomar, alterando o curso do filme. Há cinco finais alternativos, e tem gente que já mapeou cada um.

 

Unbreakable Kimmy Schmidt

Unbreakable Kimmy Schmidt é uma das séries mais loucas e divertidas da Netflix. A série foi idealizada pela humorista Tina Fey e não é um tipo de humor que vai agradar a todas as pessoas. A personagem principal é interpretada pela excelente atriz Ellie Kemper. Infelizmente, no dia 25 de janeiro, estreia a última temporada.

 

Com amor, Van Gogh

É um dos filmes mais belos que já vi! O personagem principal, Armand Roulin (que realmente existiu – foi vizinho do pintor) viaja para o interior da França em busca de respostas para o suicídio de Van Gogh. O filme todo foi pintado a óleo por cerca de cem artistas do mundo todo, com base nas obras de Van Gogh. O visual é incrivelmente bonito, uma obra de arte.

Dica de filme: A festa de Babette

a-festa-de-babette

 

festa de Babette é um filme dinamarquês de 1987, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. O filme de Gabriel Axel é uma adaptação do conto de mesmo nome da escritora dinamarquesa Karen Blixen (1885-1962). Além de ser um grande filme, é também uma  homenagem aos artistas e a todas as formas de arte.

O filme mostra o choque entre a religiosidade e a arte. Duas irmãs, filhas de um austero pastor, vivem numa vila no interior da Dinamarca. Durante a juventude, cada uma teve a chance de mudar completamente de vida e seguir um destino diferente. Uma poderia ter sido uma grande cantora em Paris, mas a modéstia e a simplicidade religiosa a impediram. A outra irmã teve a chance de casar com um oficial, mas preferiu continuar vivendo sua vida simples no vilarejo de pescadores.

Depois de muitos anos, quando as duas irmãs já alcançaram a velhice, elas recebem a visita misteriosa de Babette, uma francesa que precisa de ajuda e um local para morar. Depois de anos servindo à família, Babette ganha um bom dinheiro na loteria e decide dar um presente a todos que a ajudaram: um banquete.

Por influência do cristianismo, os moradores locais veem o banquete de Babette como uma tentação, algo que os tirará do caminho religioso. Porém, para Babette, que era uma reconhecida chef francesa, a comida é vista não só como mero sustento, mas também uma forma de arte.

O mais interessante em A festa de Babette é a contraposição de como as irmãs e Babette lidam com seus talentos artísticos. As irmãs não consideravam a arte como ponto de partida para a fama ou ganhar dinheiro. Era apenas uma manifestação de Deus. Exercer uma atividade artística não era fundamental.

Enquanto as irmãs renunciavam a uma existência mais criativa, Babette sofreu enquanto não pode exercer plenamente sua profissão e arte. O banquete para os moradores é o auge, e para isso Babette irá empregar todo o seu talento. A cozinheira que deu tudo de si para exercer com perfeição sua arte, em contraposição às duas irmãs, que renunciaram a uma vida criativa. Porém, no fim do filme há uma celebração, pois um jantar preparado com tanto cuidado e dedicação só pode ser divino, uma verdadeira obra de arte.