O amor de Carlos Drummond de Andrade

o amor de Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade, poeta que deixou vários versos marcantes e populares na literatura brasileira, tinha uma visão irônica e melancólica do amor. O poema “Quadrilha” é um exemplo da visão realista de Drummond …(João amava Teresa que amava Raimundo…).

“Carlos, sossegue, o amor/é isso que você está vendo: hoje beija, amanhã não beija…”

É um bom conselho para os desiludidos

O poeta morreu 12 dias depois que sua única filha faleceu. Maria Julieta Drummond de Andrade faleceu no dia 5 de agosto de 1987.

“À beira do negro poço
debruço-me; e nele vejo,
agora que não sou moço,
um passarinho e um desejo.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s