Henry & June: o diário de um amor livre

“Um rosto surpreendentemente branco, olhos ardentes. June Mansfield, a esposa de Henry. Quando ela veio em minha direção da escuridão do meu jardim até a luz da entrada, vi pela primeira vez a mulher mais linda da Terra.

Anos atrás, quando tentei imaginar uma verdadeira beleza, criara uma imagem em minha mente exatamente de tal mulher. Até imaginara que ela seria judia. Já conhecia há muito tempo a cor de sua pele, seu perfil, seus dentes.

A beleza dela sobrepujou-me. Quando me sentei à sua frente, senti que faria qualquer loucura por ela, qualquer coisa que ela me pedisse. Henry esvaneceu-se. Ela era cor, brilho, estranheza.”

Henry & June: diários não expurgados de Anaïs Nin. Anaïs Nin. Porto Alegre, RS: Ed.L&PM, 2014.

Essa foi a primeira impressão que a escritora Anaïs Nin teve de June, esposa do escritor americano Henry Miller, quando a conheceu em dezembro de 1931. Naquele mesmo ano, Anaïs Nin e Miller iniciaram um relacionamento amoroso nada convencional.

Anaïs Nin nasceu em 21 de fevereiro de 1903, na França. Seu pai era cubano e a mãe dinamarquesa. Viveu durante a infância na Europa e depois nos Estados Unidos. Em 1923, Nin se casou com o banqueiro Hugh Guiler e voltou a Paris. Ela e Hugh viviam um casamento aberto numa época em que isso era considerado tabu.

No período em que conheceu Miller, Anaïs Nin estava começando sua carreira como escritora de ficção. A atração entre ambos foi intensa e logo começaram um romance. O encontro com Henry Miller influenciou a escrita e a vida de Nin, como ela mesma afirma: “Erotismo e sensualidade agora tinham um grande significado para mim”. O encontro também foi significativo para Miller, que escreveu o clássico “Trópico de câncer” durante o seu período em Paris.

Tudo ia bem entre os dois até a chegada de June. Anaïs Nin sentiu uma atração imediata e desenvolveu uma obsessão por June. Apesar do ambiente liberal, Henry sentia ciúmes da intimidade entre as duas mulheres, e Nin, do amor de Miller por June.

“Mas que jogo soberbo nós três estamos jogando. Quem é o demônio? Quem é o mentiroso? Quem é o ser humano? Quem é o mais inteligente? Quem é o mais forte? Quem ama mais? Somos três egos imensos lutando por dominação ou por amor, ou estas coisas estão misturadas?”

Henry & June: diários não expurgados de Anaïs Nin. Anaïs Nin. Porto Alegre, RS: Ed.L&PM, 2014.

“Henry & June” e os diários de Anaïs Nin

henry-e-june-livro-anaïs-nin

O livro foi adaptado para o cinema em 1990 pelo diretor Philip Kaufman

O relacionamento com Henry e June foi contado em detalhes nos diários de Anaïs Nin. Porém, a autora excluiu esse período quando os diários começaram a ser publicados, a partir de 1969, para preservar o marido. “Henry & June” foi publicado na década de 1980, após a morte de Nin. Os eventos narrados no livro vão de outubro de 1931 a outubro de 1932. Além do triângulo amoroso, Nin escreve sobre suas experiências com a psicanálise, ainda incipiente, e as crises no casamento com Hugh.

Apesar de ter se aventurado na ficção, com obras eróticas como “Uma espiã na casa do amor”, a maior obra de Anaïs Nin foram os diários. Neles, a autora relata sem pudores suas descobertas sexuais e os altos e baixos do casamento com o banqueiro Hugh Guiler. Nin reflete sobre a condição da mulher, o amor e o desejo sexual, aprofundados pela psicanálise (Nin inclusive tornou-se psicanalista). A escritora falou sobre os diários nesta entrevista.

O livro Henry & June  é um extrato dos diários editados para contar o caso com os Miller. Como os demais diários da autora, entramos no mundo íntimo desses “personagens”, nos dilemas  de Nin à medida que se entrega a Henry. Vemos o processo de criação dos dois escritores, as trocas intelectuais. E o efeito desagregador que June provoca nos dois.

A escrita de Anaïs Nin é concisa, sem sentimentalismos. Os diários tem um ritmo de ficção, o leitor se envolve com as descobertas da escritora e a honestidade em analisar os próprios sentimentos. As descrições da vida em Paris na década de 30 também são interessantes.

O livro de Anaïs Nin foi adaptado para o cinema em 1990 pelo diretor Philip Kaufman. No filme, a atriz Uma Thurman interpreta June, e a atriz portuguesa Maria de Medeiros, Anaïs Nin.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s